Pons Medical Research

barriga de aluguel na Espanha

Barriga de aluguel na Espanha

A Espanha é um dos países mais incríveis do mundo, com pessoas adoráveis e confeitarias maravilhosas, bela arquitetura, natureza impressionante e padrões de vida de alta qualidade. Infelizmente, quando falamos de barriga de aluguel, o quadro não é tão bom. Em nossa experiência, as Embaixadas da Espanha em todo o mundo são as mais “exigentes” em relação aos casos em que ocorrem relações de barriga de aluguel. E tem suas próprias razões.

Base legal para barriga de aluguel na Espanha

A barriga de aluguel não é permitida na Espanha. Apesar de esse tipo de atividade na Espanha não ser regulamentado e de não ser possível obter uma licença legal nem mesmo para as agências que prestam esse tipo de serviço no país, a barriga de aluguel já se tornou parte da realidade de muitas famílias espanholas. Entretanto, o desejo de se tornarem pais leva esses casais à Ucrânia ou à Geórgia, onde a barriga de aluguel é permitida e não custa tanto quanto nos EUA. Por outro lado, quando o bebê nasce, os pais obtêm a certidão de nascimento do bebê no país onde o programa de barriga de aluguel e/ou o parto foi realizado. Normalmente, eles já são escrito na certidão de nascimento como pais legais, mas não ajuda muito em casos de barriga de aluguel com casais espanhóis, pois o país do programa de barriga de aluguel (Geórgia ou Ucrânia) não dá a nacionalidade para tal bebê automaticamente, deixando-o em uma espécie de “limbo legal” até os pais se dirigem à Embaixada do país de origem para obtenção da cidadania e, consequentemente, do passaporte para o bebê viajar para casa.

Cidadania por opção

De acordo com a legislação espanhola sobre nacionalidade e cidadania, um bebê nascido fora da Espanha, que tenha pelo menos um dos pais (Mãe ou Pai) com nacionalidade espanhola (que possua passaporte espanhol), pode solicitar a cidadania espanhola através da Embaixada.

Solicitando ao governo espanhol a cidadania espanhola para um bebê, os pais se colocam automaticamente no campo das relações jurídicas que se enquadram no escopo do direito substantivo espanhol. Isso significa que, a partir do momento em que você entra na Embaixada da Espanha, você está sob a regulamentação do direito civil, familiar e de reprodução espanhol. A partir desta parte surgem dificuldades legais.

A filiação dos bebês de aluguel

De acordo com o parágrafo 4 art.9 capítulo IV do Título Preliminar do Código Civil da Espanha, se não for possível estabelecer a filiação da criança ou se a criança não tiver residência habitual e nacionalidade (mesmo caso de barriga de aluguel, quando o filho recém-nascido ainda não possui cidadania, residência ou nacionalidade), será aplicada a lei substantiva espanhola. O artigo 10 da Lei 14/2006, de 26 de maio, sobre técnicas de reprodução humana assistida especifica que o contrato para o qual a gravidez é celebrada (contrato de barriga de aluguel), com ou sem preço, pela mulher que renunciar à filiação materna em favor do contratante ou de terceiro, será nulo. A filiação dos filhos nascidos de gestação por substituição será determinada pelo nascimento. Conserva-se a eventual ação de reivindicação de paternidade em relação ao pai biológico, de acordo com as regras gerais.

Posição do governo espanhol

A posição do governo espanhol em casos de barriga de aluguel é muito clara, como está escrito em recomendações oficiais do Ministério da Justiça da Espanha, “Em hipótese alguma será aceito como título idôneo para o registro do nascimento e filiação do nascimento, um certificado de registro estrangeiro ou a simples declaração, acompanhada de atestado médico referente ao nascimento da criança que não conste a identidade da gestante”. É possível recorrer à decisão judicial em alguns casos, e em outros casos o governo espanhol quer ter certeza de que não houve violação dos direitos da barriga de aluguel pelo ordenamento jurídico do país onde a barriga de aluguel foi realizada.

Como a Espanha reconhece a mãe como a mulher que carrega e dá à luz o bebê, a Embaixada solicita um atestado médico de nascimento da Maternidade, onde o parto foi realizado, para obter provas de que a mãe legal (de acordo com a certidão de nascimento legal) deu à luz o bebê na realidade. Na Ucrânia e na Geórgia, o atestado médico de nascimento sempre contém o nome da mãe substituta, pois as instituições médicas desses países não são responsáveis pela parte legal do processo. O registro de um bebê é realizado aqui em órgãos judiciais (escritório de registro civil do Ministério da Justiça), não na Maternidade. Por outro lado, na Bielorrússia, a mãe genética (legal, pretendida) aparece em ambos os documentos, na certidão de nascimento médica e legal. Outra coisa é que a Espanha não reconhece nenhum desses documentos em nenhum caso, pois foram emitidos de acordo com regras diferentes das deles.

Problemas é o fim

Assim, no final do processo de barriga de aluguel, os pais enfrentam o problema de o bebê não ter cidadania e passaporte de nenhum país. Consequentemente, eles não podem viajar para casa até que esse problema seja resolvido. Por outro lado, a Embaixada da Espanha solicita: 1) reconhecimento dos direitos parentais do pai genético (legal) e 2) documentos de abandono do senhor. madrasta, embora já tenha sido feito no país de “barriga de aluguel” antes da assinatura do contrato de barriga de aluguel no Cartório ou após o nascimento do bebê, 3) desconsiderando completamente ao mesmo tempo a mãe genética do bebê, independentemente de ter sido programada com doação de óvulos ou não, já que ela não fez o parto. Tudo isso torna a impressão dos pais sobre o processo de barriga de aluguel envenenada e a duração de sua estada no exterior muito mais longa.

A Embaixada da Espanha aceita apenas esse tipo de certidão de nascimento legal em que a mãe de aluguel é escrita como a mãe legal, o pai genético é escrito como o pai legal e a mãe genética é escrita... em nenhum lugar. Depois que a família voltar para casa, na Espanha, mãe genética precisará adotar seu próprio bebê. Por alguma estranha razão, o governo espanhol prefere obter uma certidão legal de nascimento sem mãe do que obter uma onde a mãe genética apareça.

Esta afirmação vem da “proteção dos direitos da criança”, estipulada no Artigo 7, da Convenção sobre os Direitos da Criança de 20 de novembro de 1989, onde está escrito, que a criança deve ser registrada imediatamente após o nascimento e terá direito desde o nascimento a um nome, o direito de adquirir uma nacionalidade e, tanto quanto possível, o direito de conhecer e ser cuidado por seus pais. O problema é que essa criança certamente conhecerá seus pais reais (genéticos), pois eles já são uma família, e essa criança não está perdida, além disso, ela já está registrada em outro país.

Maravilhosa Espanha

Em todo este processo, a Espanha como país colocou-se na posição de não reconhecer os documentos legais de outro país, o que é bastante estranho para um Membro da Convenção que aboliu os requisitos de legalização de documentos públicos estrangeiros, concluída em 5 de outubro de 1961 em Haia. Por um lado, países como a Ucrânia ou a Geórgia não têm nenhum acordo mútuo com a Espanha sobre o reconhecimento mútuo de certidões de nascimento e outros documentos civis. Por outro lado, todos esses países são membros da Convenção de Haia de 1961, que estipula regime simplificado de reconhecimento de documentação em geral, incluindo certidões de nascimento, certidões de casamento ou decisões judiciais, bastando apenas apostilá-las. Então, a pergunta é: por que a Espanha reconhece a documentação em outras áreas da vida (carteira de motorista, casamento ou documentos educacionais), mas não a reconhece quando se trata de barriga de aluguel?

De acordo com os princípios gerais do direito internacional, só podem existir quatro regimes de reconhecimento dos documentos emitidos por outros países:

  1. Nacional (quando o país o reconhece sem quaisquer questionamentos e formalidades, como se tivessem emitido esses documentos por conta própria);
  2. Legalização (legalização consular e diplomática);
  3. Apostilização (mais simples que a legalização, só precisa de um carimbo de forma específica, funciona para todos os Membros da Convenção de Haia de 1961) – Espanha, Geórgia e Ucrânia são Membros desta Convenção;
  4. regime especial - mesmo um regime mais liberal de acordo com acordos mútuos entre os países.

Consequentemente, quaisquer outras reclamações ou reivindicações de qualquer país do mundo relativas ao não reconhecimento dos documentos, especialmente quando se trata de documentos que comprovem relações intrafamiliares, entre filhos e pais, não são apenas ilegais ou estranhos, eles, em primeiro lugar, interferir nos assuntos internos de outro país e, em segundo lugar, minar o prestígio do governo que emitiu tais documentos.

Felizmente, países como Ucrânia e a Geórgia, que permitem a barriga de aluguel, estão sempre do lado dos pais e de seus filhos, por isso sempre é possível obter cidadania ucraniana ou georgiana e passaporte para bebês, nascidos por barriga de aluguel no território desses países, se a Embaixada os negar .

O Pons Medical Group está pronto para ajudá-la em sua jornada de barriga de aluguel.

Contate-nos hoje para obter consulta gratuita sobre o seu caso!

barriga de aluguel na Espanha

Compartilhe esta publicação

pt_BRPortuguês do Brasil

Marque uma consulta

× Como posso ajudar o senhor?