Pons Medical Research

maternidade de aluguel na Alemanha

Barriga de aluguel na Alemanha

O sistema de saúde da Alemanha é conhecido como um dos melhores do mundo. Muitas pessoas do exterior vêm para a Alemanha para tratamento ou cirurgia, procurando os especialistas mais qualificados em uma determinada área. Infelizmente, esse tipo de tratamento de infertilidade como barriga de aluguel e fertilização in vitro com doação de óvulos ainda não está disponível neste país, principalmente por questões éticas e posição rígida do governo sobre esse assunto.   

O embrião como sujeito de direito

É interessante saber que, de acordo com a lei alemã, os embriões são protegidos pelos três direitos fundamentais do ser humano: proteção da dignidade humana, livre desenvolvimento da personalidade e direito à vida. A Lei de proteção do embrião, de 13.12.1990, indica isso em suas principais disposições.

Por exemplo, é punível com até três anos de prisão por uso de óvulos doados, por transferir mais de três embriões de uma só vez para o útero da futura mãe, por fertilizar mais óvulos da mulher do que pode ser transmitido dentro de um ciclo e, claro, barriga de aluguel é proibida. Além disso, sob o par. 3º, 3º-A desta Lei, aquele que se comprometer a fazer PGD ou um seleção de sexo do futuro filho por motivos diversos dos médicos será punido com pena de prisão até um ano ou multa.

Doação de óvulos e esperma na Alemanha

É curioso quão rigoroso é o sistema legal para doação de óvulos e barriga de aluguel em um país tão desenvolvido como a Alemanha. As mulheres inférteis estão totalmente fora da proteção do governo de lá, pois não podem usar doadoras de óvulos nem mães de aluguel. Pelo contrário, não há qualquer explicação para que a doação de esperma seja permitida. De acordo com a nova lei de doação de esperma na Alemanha, a partir de 1º de julho de 2018 todas as informações sobre o doador de esperma serão incluídas no registro específico, onde ao atingir a idade de 16 anos qualquer criança nascida por meio da tecnologia ART poderá obter as informações sobre seu pai genético (doador de esperma). No entanto, não dá nenhum direito parental ao doador de esperma, apenas dá à pessoa nascida por meio de ART o direito de saber sua origem.

barriga de aluguel no exterior

Alguns casais enfrentam o problema de que a fertilização in vitro, mesmo com a doação de esperma, não os ajuda a conseguir a gravidez. Isso os obriga a escolher outras opções de tratamento, como doação de óvulos e barriga de aluguel no exterior. Se você está pronto para iniciar sua jornada de barriga de aluguel no exterior, chame sua atenção para os seguintes itens.

Acima de tudo, mesmo que seu programa de barriga de aluguel seja realizado no exterior, leve em consideração que, no final, você voltará para a Alemanha com seu bebê e isso pode causar algumas dificuldades legais com o processo da Embaixada. Por isso, sugerimos que você fique atento a alguns detalhes desde o início do processo.

Duas mães, um bebê

Em primeiro lugar, ao escolher o seu madrasta preste atenção ao seu estado civil. Por que é necessário?

Mesmo se você conseguir o certidão de nascimento do bebê em um país estrangeiro onde você está escrito como pais legais do bebê (mãe legal e pai legal), a Embaixada da Alemanha não reconhecerá esta certidão de nascimento e você precisará estabelecer seus direitos de paternidade mais uma vez na Embaixada de acordo com o alemão lei.

De acordo com a lei alemã, a mãe de um bebê é sempre uma mulher que faz o parto, independentemente da ligação genética do bebê com sua mãe biológica (genética, pretendida), e o pai do bebê é sempre o marido legal de uma mulher, quem deu à luz.

Nesse sentido, recomendamos fortemente que você encontre uma mãe de aluguel solteira para o seu caso de barriga de aluguel no exterior.

Na Embaixada da Alemanha, a mãe genética não terá nenhum direito sobre o bebê e, conseqüentemente, não poderá transferir sua nacionalidade para o bebê. Se a sua mãe substituta for solteira, será possível reconhecer a paternidade do pai biológico (genético, pretendido) na Embaixada de acordo com o procedimento específico.

Caso contrário, se você já tiver uma mãe de aluguel, que seja casada, precisará obter a nacionalidade e o passaporte do bebê no país onde o bebê nasceu (por exemplo, é possível na Geórgia), leve-o para Alemanha e depois de algum tempo morando lá, a criança terá a possibilidade de obter a cidadania alemã de acordo com seu domicílio.

Quem é o pai?

Como já mencionamos anteriormente, o pai biológico (genético, pretendido) precisa reconhecer sua paternidade perante o cônsul alemão. Existe uma declaração específica que pode ser feita na Embaixada de duas formas diferentes: antes ou depois do nascimento do bebê.

No primeiro caso, o Pretendido Pai que tem o vínculo genético com o bebê tem que reconhecer legalmente a criança no Consulado, enquanto a mãe substituta está grávida, com o consentimento do Substituto. Esse reconhecimento precisa ser certificado publicamente (geralmente por meio de folhas de informações nos sites da Embaixada/Consulado Alemão). Uma vez que a criança é legalmente reconhecida por um pai pretendido que é cidadão alemão, a criança (não nascida) adquire automaticamente a cidadania alemã.

No segundo caso, o Pai Pretendido está fazendo o mesmo, mas após o nascimento e também com a presença pessoal da Mãe de aluguel no Consulado Alemão (para dar seu consentimento). Em ambos os casos, deve ficar claro que a mãe de aluguel decidiu voluntariamente levar a criança e dar a guarda e todos os direitos parentais ao futuro pai. Nenhuma audiência é necessária para provar isso, basta uma declaração.

trabalho de papel

Os Pretendidos Pais devem estar prontos para entregar a seguinte lista de documentação (com tradução e apostilização se necessário) à Embaixada para reconhecimento dos direitos de paternidade:

  • Passaporte ou carteira de identidade do pai pretendido
  • Passaporte ou carteira de identidade da mãe de aluguel
  • Comprovante de presença legal e endereço no país onde a barriga de aluguel foi realizada;
  • certidão de nascimento da criança (traduzida e apostilada)
  • certidão de nascimento do hospital
  • Para reconhecimento de paternidade pré-natal: evidência de gravidez, a data calculada de nascimento e sexo [se determinado] deve ser aparente) etc.

Após o reconhecimento da paternidade e estabelecimento da nacionalidade do bebê, os Pretendidos Pais precisarão obter o passaporte do bebê para viajar para casa pela fronteira.

Antes era um grande problema conseguir o passaporte do bebê para casais alemães, mas a situação melhorou um pouco depois que a Suprema Corte da Alemanha decidiu que o governo deve reconhecer as crianças nascidas por barriga de aluguel em outros países como filhos legais de pais alemães pretendidos.

Em sua decisão, o tribunal superior afirmou que as autoridades alemãs devem respeitar as decisões das autoridades estrangeiras em relação aos direitos parentais dos futuros pais alemães, embora a barriga de aluguel não seja legal na Alemanha.

Queremos encorajar os nossos futuros pais, que caso nos escolham como seus provedor de barriga de aluguel na Geórgia, iremos ajudá-los com quaisquer dificuldades legais que possam enfrentar após o nascimento do bebê. Vale ressaltar que mesmo em caso de mudança na lei alemã que dificulte a obtenção da cidadania alemã do bebê, será possível obter a cidadania georgiana e o passaporte para o bebê nascido por barriga de aluguel. O procedimento é simples e não leva mais de três semanas.

Desejamos que todas as famílias alemãs realizem seus sonhos!

Não hesite em Contate-nos se ocorrer alguma dúvida.

Autor: Sukhanova Anna, consultora jurídica do Pons Medical Group

Compartilhe esta publicação

pt_BRPortuguês do Brasil

Marque uma consulta

× Como posso ajudar o senhor?