Pons Medical Research

Barriga de aluguel e religião

Barriga de aluguel e religião

A barriga de aluguel é sempre um tema quente nos fóruns da Internet, pois causa muitas questões controversas do ponto de vista ético. Via de regra, entre os argumentos contra a barriga de aluguel aparecem os teológicos, que exercem uma influência bastante forte sobre as pessoas de fé, que sofrem de infertilidade e têm medo de dar o passo que pode ajudá-las a conseguir o bebê pelo qual rezam. Vejamos como as tecnologias de reprodução assistida e barriga de aluguel aparecem particularmente nos religiosos mundiais e como esses religiosos se flexibilizam com o passar do tempo e o desenvolvimento tecnológico da sociedade. 

Barriga de aluguel e cristianismo

O principal livro de todos os cristãos – a Bíblia não menciona diretamente a barriga de aluguel, pois esta técnica que usamos hoje (FIV) obviamente não era conhecido na época em que a Bíblia foi escrita. Assim, a única coisa que podemos fazer é encontrar regras comuns relevantes neste caso e tentar adaptá-las aos problemas morais modernos e interpretá-los de acordo com o cerne das Sagradas Escrituras.

Por um lado, a Bíblia define o casamento como uma união entre duas pessoas e os filhos podem ser o resultado dessa união (Gênesis 1:28, 2:24). No Salmo 127:3 vemos que os filhos são um presente para os casais e nem todos são abençoados com eles.

O que a Bíblia diz?

Por outro lado, podemos encontrar poucas histórias sobre algo que hoje chamamos de “barriga de aluguel tradicional” e que não é mais usado nas clínicas de fertilização in vitro. (barriga de aluguel tradicional é quando a mãe de aluguel é geneticamente relacionada com a criança; hoje em dia usamos “barriga de aluguel gestacional” quando a mãe de aluguel é apenas portadora de um bebê, mas não tem ligação genética com ele).

Gênesis 30:1-24 diz: “Quando Raquel viu que não dava filhos a Jacó, teve inveja de sua irmã. Ela disse a Jacó: “Dá-me filhos ou morrerei!” A ira de Jacó acendeu-se contra Raquel, e ele disse: “Estou eu no lugar de Deus, que te negou o fruto do ventre?” Então ela disse: “Aqui está minha serva Bilhah; entre a ela, para que ela dê à luz por mim, para que até eu tenha filhos por meio dela. Então ela deu a ele sua serva Bilhah por esposa, e Jacó teve com ela. E Bila concebeu e deu à luz um filho a Jacó”.

Gênesis 16:1-16 diz: “Ora, Sarai, mulher de Abrão, não lhe dera filhos. Ela tinha uma serva egípcia cujo nome era Agar. E Sarai disse a Abrão: “Eis que o Senhor me impediu de ter filhos. Entre para o meu servo; pode ser que eu obtenha filhos com ela. E Abrão ouviu a voz de Sarai. Assim, depois que Abrão viveu dez anos na terra de Canaã, Sarai, mulher de Abrão, tomou Hagar, a egípcia, sua serva, e deu-a a Abrão, seu marido, por mulher. E ele foi a Hagar, e ela concebeu <…>E Hagar deu à luz um filho a Abrão, e Abrão chamou o nome de seu filho, que Agar deu à luz, Ismael. 16 Abrão tinha oitenta e seis anos quando Agar deu à luz Ismael a Abrão”.

Faça tudo para a glória de Deus

Então, na realidade, não são exatamente os casos que temos hoje. Não solicitamos barriga de aluguel tradicional, pois madrasta é apenas portadora de um embrião que foi colocado em seu útero em laboratório, não por causa do contato sexual com o pai genético, como descrito na Bíblia e ainda aceitável, e esse embrião está se desenvolvendo para o bebê dentro de seu ventre. Sim, Deus não prometeu a você ter um filho, mas isso significa que você não pode lutar pelo seu desejo de ser pai se a tecnologia permitir isso?

Sugerimos que não há nada de errado com a barriga de aluguel relacionada às regras das Sagradas Escrituras que encontramos e deve ser 100% sua própria decisão de se submeter à barriga de aluguel como forma de tratamento de infertilidade ou não. Quer comais, quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus (Coríntios 10:31).

Posição da Igreja Católica

No entanto, a Igreja Católica expressou sua posição oficial de outra maneira. No Documento denominado Donum Vitae prescrevia que “a maternidade de substituição representa um descumprimento objetivo das obrigações do amor materno, da fidelidade conjugal e da maternidade responsável; ofende a dignidade e o direito da criança de ser concebida, trazida no ventre, trazida ao mundo e criada pelos próprios pais; estabelece, em detrimento das famílias, uma divisão entre os elementos físicos, psicológicos e morais que as constituem”.

Infelizmente, não está especificado lá como exatamente isso prejudica a instituição social da maternidade e a dignidade da criança que é carregada em outro ventre. A propósito, a contracepção e a fertilização in vitro não são permitidas pela Igreja Católica. “Tal fertilização (FIV) é em si ilícita e contrária à dignidade da procriação e da união conjugal, mesmo quando tudo é feito para evitar a morte do embrião humano. Embora a maneira pela qual a concepção humana é alcançada com FIV e ET não possa ser aprovada, toda criança que vem ao mundo deve, em qualquer caso, ser aceita como um dom vivo da bondade divina e deve ser criada com amor”.

A Igreja Católica é uma das igrejas mais fortes do mundo e tem grande influência na mente das pessoas. Talvez seja por isso que nos países onde prevalece o catolicismo a barriga de aluguel é proibida.  

Posição da Igreja Ortodoxa

A Igreja Ortodoxa Russa não é tão rigoroso quanto o católico. Por exemplo, a fertilização in vitro (sem doação) é permitida aqui, pois esse procedimento “não parece ser diferente da concepção natural e ocorre nas relações familiares e conjugais”. Com relação à barriga de aluguel, ela é estritamente proibida pela Igreja Ortodoxa Russa, mesmo que seja feita de forma altruísta. Por outro lado, se os pais genéticos estão prontos para confessar seus pecados, a Igreja Ortodoxa Russa está pronta para batizar um bebê nascido dessa maneira. “O fato de um”nascimento de aluguel” não é em si um obstáculo ao batismo de uma pessoa, porque ela não é responsável pelo comportamento de seus pais”.

No entanto, hoje em dia a Rússia e a Ucrânia são os maiores destinos de barriga de aluguel para todos os casais desesperados.

A Igreja Ortodoxa Grega sugere aos casais inférteis que tenham uma orientação espiritual bem definida e sejam produtivos em vários campos da vida social e espiritual, tornando mais forte a sua fé em Deus e mais madura a sua alma. A Igreja também esclareceu que é difícil para eles abençoar a prática da ART (concepção não natural e assexuada, preservação de embriões, PGD etc.) e gravidez que perturbam a ordem familiar normal, pois é contra o Espírito da Igreja. Ao mesmo tempo, a Igreja Grega aceita inseminação intra-uterina homóloga sem doação de óvulos ou fertilização in vitro com a quantidade total de embriões criados se todos eles forem transferidos para o útero da mãe genética (claro, apenas para casais heterossexuais com infertilidade).

Barriga de aluguel e Islã

No mundo muçulmano, a barriga de aluguel é algo bastante controverso, pois depende totalmente de qual perspectiva você está observando. A lei e a religião estão intimamente relacionadas entre si nos países muçulmanos. A Lei Sharia baseada não apenas no livro principal dos muçulmanos – o Alcorão, mas também no Hadit ou Sunna e pensamentos de estudiosos islâmicos.

Existem duas escolas diferentes lá: sunita e xiita. Os sunitas são os seguidores de Maomé e os xiitas são os seguidores do Imam Ali, primo de Maomé e governante do Islã após sua morte. Os estudiosos sunitas não permitem a maternidade substituta, já que a mãe substituta carregará o bebê formado pelo esperma de outro homem com quem ela não é casada. De acordo com o Islã, o casamento legal é o único preceito para a procriação da vida, então a reprodução por terceiros é desafiadora no Islã.

Por outro lado, os estudiosos xiitas permitem a barriga de aluguel como tratamento para a infertilidade, mas apenas para casais casados (por isso é prática comum no Irã ou no Líbano), porque consideram o próprio embrião como um feto, o que é totalmente diferente do esperma do pai genético. Ao mesmo tempo, a transferência de embriões é considerada como a transferência de um embrião de um útero para outro, portanto não há pecado nisso.

Há muitos casais inférteis no mundo muçulmano. Além disso, a lei de família islâmica considera a infertilidade da esposa como o principal motivo para o divórcio, de modo que as mulheres sem filhos estão sempre sob a pressão psicológica e social de que seu casamento será destruído. No entanto, o casamento geralmente não se desfaz com base na infertilidade masculina.

A doação é totalmente proibida no Islã, pois a importância da família, da linhagem e das relações de sangue é marcadamente perceptível no Alcorão: “Foi Ele (Allah) quem criou a humanidade da água, então Ele estabeleceu a relação de linhagem e casamento para o seu Senhor tem poder sobre todas as coisas” (Alcorão Sura Al-Furqan 25:54).

Na barriga de aluguel genética sem doação, a quebra da linhagem é impossível, pois os pais biológicos já são conhecidos. Não há adultério no procedimento de transferência de embriões que é realizado na clínica de fertilização in vitro. A única questão que se coloca aqui é quem é a verdadeira mãe: a mãe substituta que dá à luz a criança ou a genética?

O Alcorão define a maternidade como: “Suas mães são apenas aquelas que as conceberam e deram à luz (waladna hum) (Al Quran Surah al-Mujadalah 58:2).

Assim, há uma menção sobre todo o procedimento desde o momento da fertilização, incluindo o período de gravidez e o parto. Assim, o Alcorão nega incondicionalmente quaisquer direitos à mãe genética no acordo de barriga de aluguel. Por outro lado, há muitos exemplos em que a ação foi proibida pelo Alcorão, mas foi permitida de qualquer maneira por necessidade e benefícios públicos (uso de insulina feita de carne de porco ou mesmo transplante de órgãos reprodutivos).

O profeta Muhammad diz: “Para cada doença, há uma cura, exceto a senilidade” (Hadit, Bukhary e Muslaam). Portanto, caso estejamos falando de barriga de aluguel como forma de tratamento de infertilidade e necessidade absoluta de procriação, é totalmente possível, pois ambas as mães (substitutas e genéticas) concordam com seus papéis nesse processo e o sistema legal ajudará na regulamentação do seu estatuto jurídico.

Como está escrito no Alcorão “Nós enviamos apóstolos, antes de ti, e designamos para eles esposas e filhos” (Alcorão Sura Al-R'ad 13:38).

Barriga de aluguel e budismo

O budismo se espalhou por toda a Ásia e se dividiu em três ramos principais, cada um com crenças, práticas e nuances culturais distintas: Budismo Theravada no sul e sudeste da Ásia (Sri Lanka, Mianmar, Tailândia, Laos, Camboja e Vietnã), Budismo Mahayana no leste da Ásia (China , Coréia e Japão) e o Budismo Vajrayana na Ásia Central (Tibete).

O budismo adere à visão indiana básica, compartilhada com o hinduísmo e o jainismo, de que a existência humana é parte de um ciclo contínuo de múltiplas vidas (samsara), cujas circunstâncias são governadas pelos atos ou ações (karma) da pessoa. Não é de surpreender que os textos budistas ofereçam pouca orientação direta em questões modernas como inseminação artificial e fertilização in vitro.

Uma vez que o budismo normalmente valoriza ideias de renúncia e considera o casamento ou o divórcio como assuntos culturais ou civis, em vez de religiosos, não há injunção bíblica aqui para ser frutífero e multiplicar. Enquanto isso, o budismo, ao contrário do cristianismo, judaísmo ou islamismo, não faz da procriação um dever moral.

Do ponto de vista dos monges budistas, barriga de aluguel não é proibida pelos ensinamentos budistas. Se a barriga de aluguel for feita com o espírito de generosidade, então a barriga de aluguel seria considerada uma coisa boa. Muitas das mulheres tailandesas, como seguidoras do budismo Theravada, têm um forte desejo de serem úteis para suas companheiras que sofrem de incapacidade de ter filhos. Há também aqueles que possuem uma forte motivação altruísta para ajudar as pessoas em um estado de expiação suspensa por seus pecados com o propósito de thamboon (acumular virtude). A população tailandesa, da qual 94% acredita em tambon e reencarnação, tem uma atitude tolerante em relação à barriga de aluguel comercial.

No entanto, se a barriga de aluguel for feita com uma intenção prejudicial, usar o procedimento para contornar a natureza e conceber um bebê para vantagem pessoal com a intenção de abusar da ordem natural, bem como diminuir a dignidade da humanidade, seria considerado errado.

De acordo com as tradições budistas, as crianças têm o direito de conhecer sua origem desde que atingem a maturidade. A mesma situação ocorre com o hinduísmo, onde a barriga de aluguel é permitida, mas a doação desconhecida não, porque a criança não conheceria sua linhagem.

Barriga de aluguel e judaísmo

Hoje em dia existem três seitas do judaísmo: os judeus ortodoxos (cerca de 10%), os judeus conservadores (cerca de 5%) e os judeus reformados (85%).

A procriação é o primeiro mandamento da Torá: “Frutificai, multiplicai-vos e enchei a Terra”. A Torá tem as mesmas histórias de intervenção de terceiros (barriga de aluguel) que a Bíblia. Sob esta luz, as crianças de hoje que nascem sem violar a sagrada intimidade sexual do casamento, bem como a inseminação artificial por um doador, não são consideradas um ato de adultério pelas autoridades haláchicas.

A outra categoria de intervenção de terceiros apresentada na Torá demonstra a disposição de reformular as linhas familiares para superar a infertilidade. A continuidade familiar e ter um filho era um valor tão grande que anulava a norma social dos limites familiares. Quando um homem morria sem filhos, seu parente mais próximo era ordenado a procriar com a viúva para perpetuar o nome e a memória do falecido. Quando o marido de Tamar, Er, morreu sem descendência, seu sogro, Judá, disse a seu segundo filho, Onã: “Junte-se à mulher de seu irmão e cumpra com ela seu dever de cunhado e dê descendência a ela. teu irmão” (Gênesis 32:8).

Assim, em princípio, Halakha rejeita a concepção abrangente de que tudo deve ser “realizado no ato conjugal em que os cônjuges cooperam como servos e não como mestres na obra do Criador, que é amor”. E para todas as seitas de judeus, a fertilização in vitro é permitida se for obrigatória por motivos de procriação. Mesmo possível fazer PGD porque a alma não entra no corpo até 40 dias (ainda não há corpo e o embrião é considerado como “água nua”).

Os rabinos aceitam universalmente o uso da tecnologia médica, pois “assim como a árvore não cresce se não for fertilizada, arada e capinada – e mesmo que já tenha crescido, mas não for regada, ela morre. Então, o corpo é como uma árvore: o remédio é o adubo e o médico é o agricultor”.

No entanto, ainda existem algumas controvérsias éticas sobre o processo de barriga de aluguel. Por exemplo, existe a questão de quem é a mãe haláchica da criança: é a mãe biológica ou gestacional? Não está claro quando começa a maternidade: é no momento da concepção ou no momento do nascimento? É por isso que os judeus preferem que ambas as mães, gestacional e genética, sejam judias para evitar problemas no futuro em relação à questão se o bebê é judeu ou não.

A mesma situação ocorre com a coleta de esperma para qualquer forma de reprodução assistida, pois a masturbação é proibida. Mas, de fato, até a TESE é permitida em caso de infertilidade, pois a regra principal ainda é “frutificar e multiplicar”. Em algumas fontes é mesmo mencionado que é possível fazer a seleção do sexo se o casal tiver pelo menos quatro filhos do mesmo sexo.

De qualquer forma, a barriga de aluguel não é recomendada a ninguém de acordo com o judaísmo. Caso contrário, é melhor encontrar um bom rabino para cada casal infértil para obter conselhos adequados sobre isso.

Em conclusão, queremos dizer que as fontes primárias de textos religiosos são certamente muito importantes para a compreensão dos valores morais e éticos, protegidos pela humanidade há séculos como verdade sagrada e imutável. Entretanto, precisamos levar em conta que vivemos em um mundo em rápido desenvolvimento e imbuído de progresso técnico, o que nos dá a capacidade de tratar doenças de uma maneira nova, como nunca antes. E se hoje podemos tratar a infertilidade usando tecnologias de reprodução assistida, não pretendemos ser Deus, estamos tentando entender este Mundo e pelo menos ajudar Deus a trazer uma nova vida a ele. Pois mesmo que o embrião seja feito em condições de laboratório, a vida às suas primeiras células deve ser dada por Deus.

Autor: Sukhanova Anna, consultora jurídica do Pons Medical Group

Compartilhe esta publicação

pt_BRPortuguês do Brasil

Marque uma consulta

× Como posso ajudar o senhor?